23 janeiro 2015

Beauty: Meus pincéis da The Beauty Box


O post de hoje é um pouco diferente do que eu costumo fazer por aqui! Como falei no post de metas para o blog em 2015, uma das coisas que eu quero fazer este ano, é postar em categorias diferentes. Por isso, decidi que vou voltar a falar mais sobre produtos de beleza e assuntos que estejam relacionados a esse tema. Pretendo postar mais sobre as coisas que eu tenho, gosto e recomendo. Pra começar, escolhi resenhar aqui os meus pincéis da The Beauty Box








Bom, existem vários motivos para eu ter comprado os pincéis deles, por isso decidi dividí-los em tópicos!

Qualidade: tenho os meus pincéis há uns dois anos já e, como vocês podem ver pelas fotos, eles estão inteirinhos. Costumo lavar só com um sabonete líquido da Johnson's Baby e nunca tive problemas das cerdas soltando ou do escrito saindo. As cerdas sintéticas são super macias, mas sem perder a característica de firmeza de cada modelo. Também achei bem legal terem colocado as funções de cada pincel no cabo e achei que a cor é simplesmente linda!

Variedade: ao todo, eles tem 11 modelos de pincéis. Como eu já tinha alguns na minha coleção, comprei só os que eu estava precisando, mas estou super tentada a comprar os modelos de rosto, hehe!

Tamanho: esses pincéis medem cerca 15cm de comprimento, o que é ótimo, porque são maiores do que pincéis de viagem e menores do que pincéis tradicionais. Eu confesso que acho meio desnecessários os pincéis de cabo longo e raramente compro. Primeiro, porque sou cegueta e gosto de chegar mais perto do espelho pra me maquiar, e segundo porque eu sempre levo meus pincéis quando vou viajar ou quando preciso me maquiar fora de casa, então prefiro produtos que sejam mais versáteis. Esses são perfeitos: não muito curtos e cabem em qualquer necessaire.

Preço: os valores são: R$19,90 (pincéis de olho), R$24,90 (pincéis de rosto) e R$29,90 (kabuki retrátil), o que eu acho super justo, principalmente considerando que os meus tem dois anos e ainda estão praticamente novos, então sei que eles ainda vão durar por MUITO tempo.


O E5, junto com o 239 da Mac, é meu pincel de sombra favorito. Ele é bem firme e denso, por isso acaba depositando muito bem a sombra. Eles também tem o modelo E1, que é um pouco mais curto, mas eu nunca usei.

Preço: R$19,90 | Onde comprar: Site The Beauty Box

F4 é o famoso Duo Fiber, um pincel super versátil. Com ele, da pra passar base, pó e blush, mas eu também uso pra aplicar iluminador, já que ele é mais leve e mais difícil de errar mão. Eu geralmente aplico blush e base com outros pincéis e uso esse pra esfumar e deixar um aspecto mais natural!

Preço: R$24,90 | Onde Comprar: Site The Beauty Box







O E3 foi o motivo que me levou até a loja, hehe! Esse pincel é ótimo pra marcar o côncavo, mas eu também amo passar sombra rente aos cílios inferiores com ele! Como é um pincel mais firme e pontudinho, consigo ter muito mais controle na hora de me maquiar, ainda mais porque meus olhos são pequenos. Também é um pincel ótimo pra iluminar o cantinho interno dos olhos.

Preço: R$19,90 | Onde comprar: Site The Beauty Box

O E2 é um pincel de esfumar e é muito bom! Gosto dele porque, apesar de ser macio, não é molenga, haha! Tenho pavor de pincel de esfumar sem firmeza porque eu sempre acabo manchando a maquiagem ou esfumando além do ponto onde eu quero. Além disso, essas cerdas são uma delícia e não machucam os olhos.

Preço: R$19,90 | Onde comprar: Site The Beauty Box

Bom, esses são os meus pincéis da marca! Espero que vocês tenham gostado do post e, caso tenham alguma sugestão do que querem ver na categoria de Beleza, é só me dizer, ok? 

                                                        Onde vocês me encontram:
                        

22 janeiro 2015

Perdão, Leonard Peacock (Matthew Quick)



Hoje vim resenhar pra vocês um dos meus livros favoritos de 2015 até agora: Perdão, Leonard Peacock, do Matthew Quick.
 Fazia muuuuuito tempo que esse livro estava na minha lista de leitura e eu sempre acaba folheando nas livrarias. Foi o primeiro e único livro que eu li do autor, mas agora já quero ler mais!

Autor: Matthew Quick | Editora: Intrínseca | Páginas: 223

Esta resenha literária NÃO contém spoilers!

Hoje é o aniversário de 18 anos de Leonard Peacock e, como presente de aniversário, ele decide que primeiro vai matar Asher Beal, seu ex melhor amigo, e depois vai atirar em si mesmo. Antes de fazer isso, Leonard decide entregar um presente para cada um dos seus amigos, como uma forma de se despedir e de deixar claro que absolutamente nada do que irá acontecer é culpa deles. Ao longo do livro, podemos ver melhor qual a relação que ele tem com cada uma dessas pessoas, um pouco da sua vida, sua visão do mundo e, principalmente, os motivos pelos quais ele decide cometer o tão aguardado homicídio-suicídio que ele tanto planeja.

Como vocês podem perceber, o tema do livro é bem pesado e a proposta é um tanto corajosa, mas o autor conseguiu transformar a leitura em algo muito leve. O Leo tem uma visão única do mundo, um certo humor negro e uma personalidade cativante, o que faz com que seja bem fácil gostar dele e se envolver com a leitura. É muito interessante entrar na cabeça de um garoto com tantos problemas psicológicos e ver como ele lida com a depressão, como ele enxerga o mundo e como as atitudes das pessoas, por menor que sejam, influenciam suas escolhas.










Uma das coisas que eu mais gostei nesse livro, é que o Leo tem um olhar muito crítico em relação a muita coisa que acontece em sua volta e, principalmente, ao modo como a nossa sociedade vive. Me identifiquei muuuuuito com alguns pensamentos dele, discordei de outros e, dessa forma, senti que esse livro tem uma proposta de fazer a gente pensar mais e enxergar as coisas de formas diferentes.

Nos últimos tempos acabei lendo quatro livros em que os personagens sofrem de depressão sem nem planejar, e achei muito interessante de ver a forma como cada um escolheu lidar com a doença, sabem? Acho que essa riqueza de diversidade e pontos de vista é uma das coisas que eu mais amo em relação à leitura! Mesmo achando os planos do Leonard absurdos, acabei amando o personagem, compartilhando o humor dele, o sofrimento, os pensamentos e, muitas vezes, me peguei torcendo pra que ele conseguisse dar a volta por cima e superasse os problemas. Ao longo da narrativa, você percebe que por trás do sarcasmo, do humor ácido, dos planos loucos, existe um garoto que precisa lidar com toda sua dor sozinho. Inclusive, em vários momentos ele ameaçou desistir dos seus planos simplesmente se alguém lhe desejasse feliz aniversário, por exemplo, o que é realmente triste e só faz a gente pensar ainda mais em como atitudes simples podem mudar não só o dia, mas a vida de alguém.

Gostei muito da escrita do Matthew Quick, os capítulos são curtos, a linguagem é simples e a narrativa é bem envolvente. Li tudo em duas noites, mas se você tiver tempo, consegue ler em um dia, super tranquilo! A única coisa que me incomodou no começo, foi o uso excessivo de notas de rodapé gigantes, mas depois elas acabaram diminuindo e eu acabei acostumando e pegando o ritmo bem rápido. Acho que o livro cumpriu muito bem o papel e acabou me surpreendendo muito, muito mesmo! Virou um dos meus livros favoritos e eu recomendo demais, principalmente pra quem gosta de livros mais críticos.


"- Mato você mais tarde — digo para o sujeito no espelho, e ele apenas sorri de volta, como se mal pudesse esperar." (página 22)

"Estou tentando fazer com que ele saiba o que estou prestes a fazer. Estou torcendo para que ele possa me salvar, apesar de saber que não pode." (página 31)


"A maioria das crianças sai sem nem mesmo fazer contato visual, embora Herr Silverman tente se despedir individualmente de cada um. Isso faz diferença, podem acreditar, mesmo que os superidiotas da minha turma não saibam apreciar.
Houve dias em que Herr Silverman foi a única pessoa a me olhar nos olhos.
A única pessoa durante todo o dia.
É uma coisa simples, mas coisas simples importam." (página 99)

"Pense por si mesmo e faça o que é certo para você, mas permita que os outros façam o mesmo."  (página 93)



 Espero que gostem! 
Onde me encontrar:
           Bloglovin | Instagram | Twitter | Goodreads | Lookbook
                                 

21 janeiro 2015

15 coisas para fazer em 2015




O post de hoje é uma blogagem coletiva do grupo de blogueiros Rotaroots! O próprio nome do post já explica a proposta, que é simplesmente dizer 15 coisas que você quer fazer em 2015! Minhas metas não são nada absurdas e muitas delas eu já estou trabalhando o máximo pra conseguir alcançar! 


1. Ler pelo menos 36 livros durante o ano
2. Escrever meu livro inteiro
3. Voltar a escrever e postar no Fanfic Obsession
4. Conhecer um lugar novo
5. Gravar mais videos para o Youtube
6. Postar muito mais no blog
7. Doar sangue 
9. Praticar a gentileza
10. Cozinhar gordices diferentes
11. Juntar dinheiro
12. Voltar a estudar francês
13. Colecionar momentos com pessoas que eu amo
14. Ser mais organizada e produtiva
15. Enxergar o lado bom das coisas 


Bom, é isso, hehe! Espero muito que consiga fazer todas essas coisas e tornar 2015 um dos melhores anos da minha vida. Vocês também tem metas pra este ano? hihi


                                                        Onde vocês me encontram:
                        

16 janeiro 2015

Filmes para assistir em 2015


Hoje é seeeeeeexta e dia de post meu no E aí Beleza, yaaaaay! Dessa vez, decidi falar sobre filmes! Listei vários lançamentos do primeiro semestre de 2015 que eu estou meeeeeega ansiosa pra assistir!

Pra ver o post completo no blog da Kah, é só clicar aqui!

                                                        Onde vocês me encontram:
                        

15 janeiro 2015

The Picture Of Dorian Gray (Oscar Wilde)




Acho que é seguro dizer que todo mundo já ouviu falar de "O Retrato de Dorian Gray", certo? Eu tinha lido a versão adaptada desse livro quando estava na escola, por isso decidi reler agora. Optei por comprar a edição em inglês da Penguin English Library, porque queria realmente sentir a escrita do Oscar Wilde e entender o livro por completo.

Autor: Oscar Wilde | Editora: Penguin | Páginas: 244

O romance se passa na Inglaterra, na era vitoriana, e conta a história de Dorian Gray, um jovem extremamente belo e ingênuo, que aceita ter seu retrato feito pelo pintor Basil Hallward. No dia em que posa para a última sessão no estúdio de Basil, Dorian conhece o amigo do pintor, Lord Henry, que fica intrigado e, ao conversar com Dorian, expõe o garoto às suas opiniões cínicas e hedônicas através de um discurso sobre a beleza e sua importância. Henry defende que, quando a beleza de Dorian acabar, ele não vai ter mais nada além das recordações do passado, porque isso é tudo o que importa. Extremamente abalado e corrompido pelo discurso de Henry, Dorian se vê furioso com o retrato e, em um acesso de nervoso e desespero, acaba desejando que o retrato envelheça no lugar dele... O que acaba acontecendo. À partir daí, todos os sinais da idade e de corrupção da alma do Dorian aparecem no retrato, enquanto ele continua sempre jovem.




Nesse livro, fica muito claro que o Oscar Wilde expõe suas próprias opiniões e suas críticas através dos discursos bem estruturados dos personagens. Lord Henry, em especial, nunca mede as conseqüências das suas palavras e, durante todo o livro, apresenta suas opiniões sobre a beleza, a inteligência, o bem, o mal, o certo e o errado. Sendo extremamente influenciável por Henry, os ideais de Dorian são cada vez mais corrompidos. Ao passar dos anos, ele passa a agir de forma corrupta e sem se importar muito com as conseqüências das suas ações. No livro, o autor defende que mesmo o menor dos pecados deixa sua marca nas pessoas e que é possível enxergar a alma de alguém através do seu rosto, suas expressões, seu olhar. Então o que aconteceria se ninguém pudesse ver sua alma e o peso das suas escolhas? O fato de Dorian continuar parecendo um jovem ingênuo, só faz com que suas ações passem cada vez mais despercebidas. A grande crítica no livro é que sem o medo das conseqüências e da punição, a moral do indivíduo está comprometida.

Além disso, o autor também critica a sociedade aristocrática da época, sempre protegida pelas mentiras e pelas aparências. Na época, esse livro causou muita discussão e chegou a ser proibido por apresentar conteúdo homossexual, mesmo que, para nós, seja de forma sutil. Inclusive, para quem não sabe, o Oscar Wilde chegou a ser preso por causa de uma denúncia do Marquês de Queensberry, pai de um jovem pelo qual ele fora apaixonado. Ele foi acusado de cometer "atos imorais" com outros garotos, e O Retrato de Dorian Gray foi usado contra ele no tribunal.









Esse livro é incrível. A escrita do Oscar Wilde é maravilhosa e exige bastante atenção e interpretação. Esse é um livro pra você ler com calma e realmente tentar entender o que o autor quis dizer por trás dos seus discursos, porque só assim você consegue aproveitá-lo por completo. O que eu mais gosto, é que além de conseguirmos entender a socidade da época através do olhar frustrado e crítico do autor, seus discursos continuam sendo relevantes na nossa sociedade atual. Na voz do Lord Henry, o autor faz uma crítica ainda mais corajosa, de que "Os livros que o mundo considera imorais, são os livros que mostram ao mundo sua própria vergonha."

"Behind every exquisite thing that existed, there was something tragic."

Onde vocês me encontram:
                        

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...